quinta-feira, 10 de novembro de 2016

'Só fazia estudar, comer e dormir', diz jovem 1º lugar em medicina na UFPE


Karollina, de 19 anos, teve média de 862,06 no Enem e nota 940 na redação.
Ela revelou que chegou a perder 3 kg durante a preparação para a prova.

Kamylla Lima
Karollina estudou durante dois anos para conseguir aprovação em medicina (Foto: Joalline Nascimento/G1)Karollina estudou durante dois anos para conseguir aprovação em medicina (Foto: Joalline Nascimento/G1)
Com média de 862,06 pontos e nota 940 na redação, Maria Karollina Silva de Brito, de 19 anos, foi aprovada para o curso de medicina como o 1º geral na classificação da Universidade Federal de Pernambuco (UPFE), pelo Sistema de Seleção Unificada (SiSU). Surpresa com a colocação, ela contou ao G1 que "só fazia estudar, comer e dormir". A estudante também conquistou vaga em medicina na Universidade de Pernambuco (UPE).
Karollina revelou que chegou a perder 3 kg durante a preparação para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). "Você escuta muitas críticas. De que não sai de casa, que não participa de nada. E, agora que passei, são só elogios e parabéns", disse a jovem. Ao terminar o ensino médio há três anos, em Caruaru, no Agreste de Pernambuco, não tentou medicina porque, segundo ela, achou "que não iria passar".
Os pais ficaram surpresos com a colocação da filha  (Foto: Joalline Nascimento/G1)Pais ficaram surpresos com a colocação obtida
pela filha (Foto: Joalline Nascimento/G1)
O caminho para o primeiro lugar geral da Universidade começou em 2013. "Sempre tive vontade de fazer [medicina], mas fui para uma faculdade particular em Caruaru para estudar direito. Não fiquei nem um semestre". Ela disse que abandonou a graduação e tentou estudar em casa para o Enem, mas não foi aprovada. No ano seguinte, Karollina começou no cursinho.

"Estudava de seis a dez horas por dia, em casa e no cursinho", contou. Apesar das muitas horas de estudo, a facilidade com a língua portuguesa foi o diferencial. Ela explicou que só fazia uma redação por semana e obteve nota 940.

Para tentar a vaga, ela disse que abdicou das redes sociais e usava um aplicativo de troca de mensagens apenas para tirar dúvidas das aulas. "Eu fiquei sem festas, sem [sair com] amigos e sem vida social completamente. Perdi 3 kg, comia pouco, dormia pouco", relembra a estudante. Karollina - que conquistou o primeiro lugar no Centro Acadêmico do Agreste (CAA) e na UFPE - disse que "as palavras principais são foco e determinação. Aprendi com isso que com esforço é possível conquistar um sonho".
Família orgulhosa
Para o pai da jovem, o representante comercial Antônio Lenilson de Brito, de 48 anos, "foi uma surpresa o primeiro lugar geral no CAA e mais ainda da UFPE". Ele disse que a escolha da filha em largar o direito para tentar medicina recebeu o apoio da família. "Foi uma conquista grande que me deixou realizado e feliz", afirmou.
A dona de casa Ana Patrícia de Brito, de 39 anos, ficou bastante surpresa com a conquista da filha. "Nós ficamos muito surpresos com a primeira colocação. Queríamos muito que ela passasse e ela se preparou para isso. O que não esperávamos era o primeiro lugar. Ela é muito determinada e quando veio a surpresa foi como se fosse a coroação de todo o esforço que ela fez", disse orgulhosa.
Karollina com os pais e os irmãos, Sarah e Daniel (Foto: Joalline Nascimento/G1)Karollina com os pais e os irmãos, Sarah e Daniel (Foto: Joalline Nascimento/G1)
Número de inscritos no SiSU
De acordo com o Ministério da Educação (MEC), a UFPE foi a terceira universidade com maior número de inscritos no SiSU, com 157.428. Ficaram à frente da instituição a Universidade Federal de Minas Gerais e a Universidade Federal do Ceará, com 195.634 e 160.474, respectivamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário