sábado, 9 de maio de 2015

Obrigado Deus por mais um ano de vida !



Hoje é o meu aniversário, pelo que mais um ciclo se completou e um novo está se iniciando, e meu coração se enche de alegria e gratidão infinitas. Eu Te agradeço, meu Deus, por mais um ano de vida!


Sou feliz porque posso usufruir dessa maravilhosa dádiva que é a vida, porque me é permitido explorar todas as possibilidades de viver uma vida, sendo que tudo isso eu devo a Ti, meu Deus, a quem humildemente e de coração eu agradeço.


Parabéns Taquaritinga do Norte - PE, 128 anos de Emancipação Política




Minha foto

Uma poesia de Roberto Celestino



     Situada no agreste
Em solo pernambucano
Viu-se nascer uma menina
Que formosa foi ficando.
Pois  enquanto ela crescia
De beleza se vestia
Ia muitos encantando.
                  
Pelo século XVIII
Inicia-se a história,
Que está eternizada
Para sempre na memória,
Desse povo que é forte
 Taquaritinga do Norte
Exaltamos tua glória.
                  
Buraco de pedra branca
Foi assim que a chamaram,
Os índios Carapotós
Que primeiro a habitaram.
Estes a viram nascer
E escolheram pra viver
Essa terra que amaram.

                  
A  Coroa Portuguesa
De terra fez doação,
Maria Ferraz de Brito
Recebeu grande porção.
Dividi-las decidiu
Logo ela as repartiu
Pra fazerem plantação.
                 
A partir daí se via
Pouco a pouco o crescimento,
Daquela pequena vila
Que crescia a passo lento.
Mas era bem sossegada
Lá a paz fez a morada
Causando contentamento.
                            
Muita água nela havia
E a tornava verdejante,
Encantando quem chegava
Nessa vila dentre os montes.
Ao partir tinha saudade
Era grande a vontade
De voltar o quanto antes.
      
Mas com o passar dos anos
Se viu a necessidade,
Dessa vila já crescida
Ser chamada de cidade
Se ela era uma menina
Agora moça franzina
Chegando à maioridade.
E assim em 10 de maio
Ano 1800
E 87 vê-se,
Dá-se o acontecimento
Da sua emancipação
E  sua população
Festejou esse momento.

O seu povo religioso
Educado e ordeiro,
É também reconhecido
Como povo hospitaleiro.
É alegre e festivo
Não se abala sem motivo
Povo forte e guerreiro.
      
Esses sítios que a rodeiam
Vem mostrar o seu vigor,
Os seus grandes cafezais
Enfatizam seu valor,
Demonstrando ao mundo inteiro
Que esse povo é festeiro
Mas, também trabalhador.
     
Pelas matas vê-se o vento
Prazeroso em passar,
Acariciando as árvores
Não se cansa de soprar,
Se pudesse ficaria
Dessas matas não saía
Pra soprar em outro lugar.
                 
Nossa fauna encontrou
Por aqui melhor lugar,
Pois do brejo à caatinga
Nada vem a lhes faltar
É a biodiversidade
Encantando de verdade
Essa cidade sem par.
      
Cariri aqui se mostra
Ao homem como aliado,
Que espera pela chuva
Com seu campo preparado
Pronto a receber o grão
Do milho, fava e feijão
Que enriquece seu roçado.
      
Olha sua plantação
Tudo verde vê ficar,
Isso muito o anima
Para sempre trabalhar.
Quando chega a colheita
Ele muito se deleita
Vendo a fartura que há.
      
A Menina que cresceu
Já não é adolescente,
Mas é uma jovem adulta
De alegria bem presente
Sempre simples e singela
Nunca deixa de ser bela
E amada será sempre

Suas praças sobrepujam
A beleza de sua face,
Admira quem a vê
Orgulha quem nela nasce.
E  que vem a visitar
Eu duvido que se vá
Sem por ela apaixonar-se.
      
Acompanha o progresso
Se torna desenvolvida,
Mantendo  a simplicidade
Essa nunca foi perdida
De cidade interiorana
Princesa  Pernambucana
Do seu povo mais querida.
                            
É  senhora educada
Vê-se isso em sua gente,
Por serem reconhecidos
Como um povo inteligente.
Vê-se hoje sumidades
Filhos da bela cidade
Serem muito influentes.
      
Muitos querem conhecer
O seu clima aconchegante
A neblina entre as serras
Escondendo os seus montes
Isso a torna mais garbosa
Revelando-a mais charmosa
Aos filhos e visitantes.
        
Mas se é pra falar de charme
É  preciso destacar,
Seu distrito mais charmoso
Falo eu de Gravatá.
Gravatá do Ibiapina
 Que traz à Taquaritinga
Uma  beleza sem par

O seu casario antigo
É destaque nacional
Tornando este Distrito
Patrimônio Cultural.
O sossego lá se abriga
Sua gente é amiga
É um povo sem igual.

Ao chegar a Pão de Açúcar
As margens da Rodovia
Vemos  a prosperidade
Expandi-la cada dia.
Muita fábrica instalada
Muita gente empregada
O progresso é garantia.

Entre estas e outras coisas
Se completa teu valor
Ó cidade abençoada
Pela mão do Criador
És  parte de nossas vidas
Nossa cidade querida
Te amamos com fervor.

Hoje és uma senhora
De beleza acentuada,
Pois enquanto o tempo passa
Vemos o quanto és cuidada
E assim sempre será
Pois teu povo irá lutar
Para ver-te preservada.
      
Hoje és Dália da Serra
Foste assim reconhecida,
Pelas dálias que expões
Nas praças cheias de vida.
Impossível não amar
Essa cidade sem par
A Taquara tão querida.
      
128 anos
Vamos nós comemorar,
Da cidade tão amada
Que nasceu para encantar
Sou à Deus agradecido
Por ter Ele permitido
Eu nascer nesse lugar.
      
Parabéns Taquaritinga
Parabéns ao povo teu
A homenagem é merecida
A quem sempre orgulho deu
Se eu não nascera aqui
Por tudo ia pedir
Para ser cidadão seu
      
Aos que te administram
Que tenham sabedoria
Para buscar o progresso
Sem ferir-te algum dia
Preservando tua beleza
Elevando-te a grandeza
Sem tirar tua alegria
      
Nossos agradecimentos
Aos vultos de tua história
Grandes homens e mulheres
Gravados em tua memória
Gente forte e valente
Que lutaram fortemente
Para verem tua glória.
                            
Parabéns para o teu povo
Povo privilegiado,
De te terem como mãe
E poderem ser chamados,
Norte-Taquaritinguenses
Revelando que pertence
      A este solo sagrado.

FELIZ DIA DAS MÃES





Ela tem a capacidade de ouvir o silêncio.
Adivinhar sentimentos.
Encontrar a palavra certa nos momentos incertos.
Nos fortalecer quando tudo ao nosso redor parece ruir.
Sabedoria emprestada dos deuses para nos proteger e amparar.

Sua existência é em si um ato de amor.
Gerar, cuidar, nutrir.
Amar, amar, amar...
Amar com um amor incondicional que nada espera em troca.
Afeto desmedido e incontido, Mãe é um ser infinito.

(Trecho do livro Minha mãe, meu mundo)


Náutico começa bem a Série B e vence o Luverdense por 1x0


Do JC Online

Jogadores do Náutico festejam o gol marcado por Hiltinho na vitória por 1x0 sobre o Luverdense / Foto: Fernando da Hora/JC Imagem

Jogadores do Náutico festejam o gol marcado por Hiltinho na vitória por 1x0 sobre o Luverdense

Foto: Fernando da Hora/JC Imagem

O Náutico começou bem a Série B do Brasileiro ao vencer o Luverdense por 1x0, neste sábado (9), na Arena Pernambuco. O time alvirrubro estreou cinco jogadores e um deles, o meia Hiltinho, marcou o único gol da partida, aos 17 minutos do primeiro tempo. Os outros foram os zagueiros Ronaldo Alves e Fabiano Eller, o meia Rogerinho e o atacante Douglas. O Timbu só volta a jogar no sábado (16), contra o Boa Esporte, em Varginha-MG.

Não foi uma atuação brilhante, mas o Náutico foi determinado, usou bem a velocidade de Hiltinho, Rogerinho e Douglas e não deu folga ao Luverdense. O adversário também estreou cinco jogadores. Casos do lateral Paulinho, do zagueiro Éverton, do volante Michel e dos meias Deivid Sacconi e Diego Rosa. No entanto, o Lec  abriu mão do ataque e deixou Ciro isolado na frente. O alvirrubro aproveitou e se impôs. Assim, com dois minutos, Patrick Vieira cobrou falta e o goleiro Édson fez grande defesa salvando os visitantes.

O Náutico investiu mais no ataque e deu resultado. Aos 17 minutos, o atacante Douglas serviu Hiltinho, que passou pelo goleiro, e tocou para o fundo das redes para fazer 1x0. Outra boa chance foi aos 34, quando Rogerinho penetrou livre na área e finalizou em cima de Édson. O goleiro do Luverdense ainda praticou outra bela defesa em uma cabeçada de Hiltinho. Só aos 44, o adversário apareceu no ataque com perigo. O zagueiro Montoya, livre, cabeceou para a fora a chance do empate.

No segundo tempo, o Luverdense saiu mais para o jogo. Mas, o Náutico mostrou eficiência na marcação e passou a usar o contra-ataque. Em um deles, aos 14, Douglas sofreu falta. Na cobrança de Rogerinho a bola passou perto da trave. O Luverdense, também em cobrança de falta, assustou aos 20, quando o lateral Paulinho acertou a trave direita do goleiro Júlio César.

O Náutico poderia ter ampliado o placar com Hiltinho, aos 22. No entanto, ao entrar na área ele chutou em cima de Édson. A partir daí, o Náutico se fechou mais e não permitiu os avanços do adversário. Dessa forma, garantiu a primeira vitória na Série B.

FICHA DO JOGO
Náutico: Júlio César; Guilherme, Ronaldo Alves, Fabiano Eller e Gastón Filgueira; João Ananias, Marino, Patrick Vieira (Pedro Carmona) e Hiltinho; Rogerinho (Bruno Alves) e Douglas (Josimar). Técnico: Lisca.

Luverdense: Édson; Raul Prata, Montoya, Éverton e Paulinho; Júlio Terceiro, Michel (Ticão), Diego Rosa (Rafael Tavares) e Deyvid Sacconi; Osman (Da Matta) e Ciro. Técnico: Júnior Rocha.

Local: Arena Pernambuco. Árbitro: Leo Simão Holanda (CE). Assistentes: Arnaldo Rodrigues de Souza e Armando Lopes de Souza (CE). Gol: Hiltinho aos 17 minutos do 1º tempo. Cartões amarelos: Ronaldo Alves, Fabiano Eller, João Ananias, Hiltinho (N), Raul Prata, Júlio Terceiro (L). Renda: não divulgada.Público: 5.440.

Na estreia da Série B, Santa Cruz é derrotado por 2x0 pelo Macaé

Do JC Online


Na segunda rodada, o Santa Cruz enfrenta o Paraná, na próxima sexta-feira, no Arruda / Celso Avila/Futura Press

Na segunda rodada, o Santa Cruz enfrenta o Paraná, na próxima sexta-feira, no Arruda

Celso Avila/Futura Press

Uma estreia para ser esquecida. O Santa Cruz iniciou sua campanha na Série B do Campeonato Brasileiro com uma derrota por 2x0 diante do Macaé, neste sábado, no estádio Moacyrzão, no Rio de Janeiro. Não faltaram oportunidades para o tricolor vencer o primeiro duelo na Segundona, mas a equipe coral esbarrou nos erros de finalização e observou seu rival sair na frente na primeira partida da temporada. Fernando Santos abriu o placar aos 35 do primeiro tempo, enquanto Juninho confirmou o triunfo, aos 48 da etapa complementar.
Na próxima rodada, o Santa Cruz tenta a reabilitação diante do Paraná no Arruda, às 19h30 da sexta-feira.
O JOGO
O tricolor entrou em campo com três desfalques. O meia Emerson Santos cumpriu suspensão e foi substituído por Pedro Castro. Já o zagueiro Alemão e o lateral-esquerdo Thiago Costa estão lesionados e cederam suas vagas para Diego Sacoman e Renatinho, nessa ordem. Em campo, o tricolor dominou o Macaé durante boa parte do primeiro tempo. Não sentiu dificuldade para construir as jogadas e teve maior posse de bola. O problema, porém, foram as finalizações desperdiçadas. 
Aos 16 minutos, João Paulo visualizou Betinho adiantado e tocou para o atacante. O jogador coral estava marcado por Brinner, que chutou de qualquer jeito para a linha de fundo. Na cobrança de escanteio, Pedro Castro cabeceou para fora. Melhor no jogo, o Santa não parou de pressionar um minuto sequer. Aos 18, Anderson Aquino teve nova oportunidade. De frente para a o gol de Berna, o atacante chutou fraco para o arqueiro defender sem dificuldade. O atleta coral voltou a ameaçar aos 28, mas não obteve sucesso. 
Depois do bombardeio tricolor, o Macaé conseguiu abrir o placar em uma das únicas oportunidades que teve na partida. Pela direita, Henrique emplacou contra-ataque e cruzou e para Fernando Santos deixar sua marca: 1x0 para o Macaé. 
A história do segundo tempo foi diferente. O Macaé entrou em campo confiante após a vantagem conquistada anteriormente. Aos quatro minutos, Pipico estava em posição de impedimento e teve seu gol anulado. Aos 12, o atacante acertou o travessão. Diante de tantos contratempos, o Santa até reagiu, mas não conseguiu empatar a partida. Aos 27, o Macaé respondeu às investidas do tricolor com outra bola na trave. Para fechar o placar, Juninho encontrou espaço nos acréscimos e confirmou a vitória por 2x0 na estreia da Série B.