domingo, 11 de outubro de 2015

Volta Rápida: nova Honda CB 250 Twister substitui a CB 300R sem deixar saudades

Honda CB Twister 250 2016 (34)

A Twister está de volta! Mas, calma, não se trata de um “revival” como aconteceu com a NX4 Falcon. Da antiga Twister 250, a nova street da Honda mantém apenas o nome e a cilindrada. Estamos falando de um projeto todo novo, do chassi ao motor, feito especialmente para o Brasil e pensado para a atual conjuntura econômica. “Além da queda de mercado, enfrentamos uma grande restrição de crédito na faixa de R$ 10 mil a R$ 15 mil, ou seja, era preciso substituir a CB 300R por uma moto que não fosse mais cara que ela”, explica o engenheiro da Honda Alfredo Guedes. Daí o renascimento da Twister, que está sendo a principal atração da marca da asa no Salão Duas Rodas e terá preços de R$ 13.050 (STD) e R$ 14.550 (versão ABS). Semanas atrás, estivemos na pista da empresa em Manaus (AM) para conhecê-la e pilotá-la em primeira mão. Confira!
O que é?
Aposta pesada da Honda contra a Yamaha Fazer 250 (que apesar de vender menos é considerada por muitos um produto superior à CB 300R), a nova Twister chega com armas interessantes. Além do novo motor de 249,5 cc, que detalharemos daqui a pouco, a moto vem com câmbio de seis marchas, lanterna traseira de LEDs, painel digital tipo “blackout”, freios a disco nas duas rodas (com opção de ABS) e peso 12 kg inferior ao da antecessora. Em outras palavras, ela acaba compensando a redução de cilindrada (que impactou em potência e torque) com menos massa e mais agilidade. Fora isso, o design ficou bem resolvido, parecendo uma CB500F mais compacta.
Honda CB Twister 250 2016 (32)
Partindo do chassi, ele agora é do tipo Diamond, no qual o bloco do motor completa a rigidez do conjunto, com dupla trave e feito de aço. Além de ter menos soldas que o antigo berço duplo da CB300R, a peça também é feita com materiais e processos mais modernos, que permitiram ao mesmo tempo reduzir seu peso e aumentar sua rigidez.
Honda CB Twister 250 2016 (35)
As suspensões também são novas, com bengalas tradicionais na dianteira (130 mm de curso) e monoamortecida na traseira (108 mm de curso), sendo a de trás com mola de dois coeficientes elásticos – a primeira parte para impactos maiores e a segunda para pequenas irregularidades. Os freios são a disco de 276 mm na frente e 220 mm atrás, enquanto os pneus agora são radiais Pirelli Diablo Rosso II (110/70 na dianteira e 140/70 na traseira), de desenho bem esportivo para uma moto street.
Honda CB Twister 250 2016 (20)
Para desenvolver o novo motor, a Honda garante ter partido de uma folha em branco: “Não deriva nem do usado na CB300 nem do propulsor da CRF 250 importada”, explica Guedes. De construção simples, o monocilíndrico tem injeção flex, usa cabeçote de comando único (SOHC) e conta com quatro válvulas, além de balancins roletados para redução de atrito. Novidade fica por conta do radiador de óleo, enquanto a refrigeração do bloco segue sendo a ar. O câmbio de seis marchas foi escalonado para aproveitar ao máximo a força do motor, tendo as três primeiras marchas curtas e a sexta longa, para baixar o giro na estrada – solução até agora oferecida somente pela Dafra Next 250 nesta categoria.
Honda CB Twister 250 2016 (21)
Na comparação com  a CB300R, houve ligeira redução no rendimento: a potência máxima agora é de 22,6 cv a 7.500 rpm (etanol) e o torque de 2,24 kgfm a 6.000 rpm (mesmo para etanol ou gasolina), contra 26,7 cv a 7.500 rpm e 2,9 kgfm a 6.500 rpm da 300. Para compensar, o torque máximo está disponível 500 rpm antes, além de o peso da moto estar menor (139 kg com ABS) e haver o câmbio de relações mais curtas. A Honda também garante que o consumo é inferior ao da antecessora, tanto que permitiu à marca reduzir o tanque de 18,4 para 16,5 litros. Por fim, a nova Twister já atende às novas normas de emissões do Promot 4, que vigoram a partir de janeiro de 2016
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário