quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Acusado de matar garoto em Petrolina confessou ter abusado e matado outras crianças

De Editoria de Cidades

Segundo delegada, ex-esposa de José Cícero da Silva afirmou que o acusado abusou sexualmente de seus dois netos / Reprodução

Segundo delegada, ex-esposa de José Cícero da Silva afirmou que o acusado abusou sexualmente de seus dois netos

Reprodução


O morador de rua José Cícero da Silva, 43 anos, preso como principal suspeito pela morte de Wallison Pedro Souza de Sá, 9 anos, encontrado morto no fim da tarde de desta quarta-feira (14) em Petrolina, Sertão de Pernambuco, é acusado também de ter abusado sexualmente e matado pelo menos outras três crianças na região.
Durante coletiva de imprensa, a delegada Francisca Polyanna Nery contou que o garoto foi atraído por um menor de idade, amigo da família, pago pelo morador de rua, que ofereceu um presente para Wallison. A criança foi abusada sexualmente, tanto por José Cícero quanto pelo menor, antes do morador de rua assassiná-la. 
Após a prisão, ele negou ter cometido o crime, afirmando estar na casa da ex-esposa, que não foi identificada, porém, ela  afirmou ter expulsado o marido de casa após saber que ele praticou abuso sexual aos seus dois netos -  um garoto de 8 anos e uma menina de 9. Além disso, ela disse que ele já havia sequestrado uma criança para matá-la, porém foi impedido pela comunidade.

ESPECIAL
» Leia reportagem Onde está você agora, sobre desaparecidos
Após pressão da polícia, José Cícero confirmou ter abusado e assassinado Wallison. Além disso, confessou mais três homicídios e abusos sexuais. As vítimas foram: Pedro Felipe de 10 anos, em Pedra Linda, Petrolina, e dois jovens da cidade de Santa Maria, uma criança de 8 anos e uma adolescente de 16 anos deficiente mental. 
A delegada Francisca Polyanna afirmou que o acusado vai responder em Petrolina por dois estupros de vulnerável e homicídios triplamente qualificados. Também serão realizados levantamentos das cidades por onde ele passou e de crianças desaparecidas para que sejam encontradas possíveis vítimas do José Cícero.

Nenhum comentário:

Postar um comentário