domingo, 4 de dezembro de 2016

No Recife, família, amigos e jogadores se despedem de Cléber Santana


Corpo do capitão da Chapecoense foi velado na sede social da Ilha do
Retiro, onde vários pernambucanos foram prestar as últimas homenagens

Por
Velório Cléber Santana (Foto: Aldo Carneiro / Pernambuco Press)Caixão foi coberto com bandeiras de PE e da Chapecoense (Foto: Aldo Carneiro / PE Press)
A sede social da Ilha do Retiro estava cheia em um domingo. Mas, desta vez, o cunho era outro. No lugar de alegria, tristeza e comoção. A aglomeração era para se despedir de Cléber Santana, cria das categorias de base do Sport. Após o velório coletivo realizado na Arena Condá, na última sexta-feira, o capitão da Chapecoense - que foi uma das 71 vítimas do trágico acidente aéreo - teve direito a uma cerimônia em sua terra natal. No final da tarde, o corpo foi levado ao cemitério Morada da Paz, onde foi cremado à noite.
Centenas de torcedores de Sport, Santa Cruz e Náutico (que trajavam as camisas dos clubes) compareceram. Além de várias outras pessoas com camisas da Chapecoense, do São Paulo e do Flamengo, clubes que Cléber Santana também defendeu ao longo da carreira. Em Pernambuco, ele atuou pelo Leão.
Cléber Santana Velório (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press)Familiares receberam amigos, torcedores e jogadores no velório, na Ilha do Retiro (Foto: Marlon Costa / PE Press)
Vários ex-jogadores que conheciam Cléber ou atuaram junto com ele compareceram na cerimônia, como o volante Everton (hoje no Central de Caruaru), o ex-meia Nildo (atuaram juntos no Sport em 2003) e o atacante Túlio de Melo, ex-Chape, e atualmente no elenco rubro-negro.
- Peço que a CBF e os outros clubes olhem por essas famílias. Prestem algum tipo de ajuda, porque lá em Chapecó (o atacante também foi para o velório na Arena Condá) eu já fiquei sabendo que existem esposas sem saber como vão pagar as contas. É necessário ajudar quem ficou aqui sofrendo - disse Túlio de Melo.
Grafite velório Cléber Santana (Foto: Daniel Gomes)Grafite foi ao velório de Cléber Santana na Ilha do Retiro (Foto: Daniel Gomes)
A diretoria do Santa Cruz enviou uma coroa de flores para o velório de Cléber Santana, assim como o atacante tricolor Grafite, que, no começo da tarde, também se fez presente na sede da Ilha do Retiro.
- Me solidarizo muito com a perda porque me coloco no lugar da família. Vivemos nesse meio que viajamos muito, deixamos nossos parentes em casa, é muito difícil. Eu tinha uma boa relação com Cléber e quase o fiz estar correndo aqui junto com a gente. Queria trazê-lo para o Santa Cruz e até conversei com ele, mas ele acabou ficando na Chapecoense mesmo. É uma perda enorme  - disse o jogador.
O capitão da Chapecoense deixou a mulher e dois filhos, um de 14 e outro de 11 anos, que estiveram no velório. O irmão de Cléber, Cleydson Santana, chegou a passar mal e foi socorrido durante o velório. Os amigos e familiares de Cléber estavam com camisas brancas com a imagem do jogador e o número 88, que ele usava na Chape.
Cortejo Cléber Santana Velório Ilha do Retiro (Foto: Aldo Carneiro / Pernambuco Press)Carro dos bombeiros levou corpo da Ilha ao Morada da Paz (Foto: Aldo Carneiro / PE Press)
No caixão, foram enroladas as bandeiras do Sport, Chapecoense e de Pernambuco. Também foram fixadas algumas fotos de Cléber na época de jogador do Leão. Nascido em Abreu e Lima, no Grande Recife, Cléber Santana tinha 35 anos e estreou como profissional em 2001. Ficou no clube até 2003 e disputou 138 jogos, marcando 25 gols.
Antes do Chepecoense, onde estava há dois anos, ele jogou pelo Vitória, Santos, São Paulo, Atlético Paranaense, Avaí, Flamengo, Criciúma, o japonês Kashiwa Reysol, e os espanhóis Atlético de Madrid e Mallorca.
O corpo de Cléber Santana chegou por volta das 11h30 na Ilha do Retiro e ficou no local até as 16h. Depois seguiu para o cemitério Morada da Paz, na cidade de Paulista, onde foi cremado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário