quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Corrupção surge de uma vez e não de maneira gradual, diz estudo



corrupcao-20170113-01

Em um país onde escândalos de corrupção têm se tornado comuns e investigações como a Lava Jato parecem envolver todas as instâncias políticas, muitos brasileiros provavelmente se perguntam como um cidadão se transforma em um sujeito desonesto capaz de cometer tais atos. Cientistas já haviam tentado solucionar essa questão, mostrando que a mentira e a desonestidade podem ser estimuladas pela prática e, gradativamente, pequenos atos se tornam grandes crimes. Um estudo publicado recentemente, porém, avaliou o comportamento de quase cem pessoas durante um jogo envolvendo dinheiro virtual e concluiu que, quando uma boa oportunidade surge repentinamente, somos mais propensos a praticar atos de corrupção.

“Comportamentos antiéticos como a corrupção nem sempre surgem gradualmente, mas, às vezes, ocorrem de maneira abrupta, espontânea e inesperada”, afirmou Nils Köbis, da Universidade Livre de Amsterdã, na Holanda, líder do estudo, em comunicado. “Especialmente quando as decisões aparecem em rápida sucessão, as pessoas podem ser relutantes em praticar corrupção repetidamente e preferir aproveitar os benefícios de formas maiores de corrupção em um ato único.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário