quinta-feira, 2 de julho de 2015

Redução da maioridade penal é legítima e necessária, diz Alckmin

697acf419f947793ae7e365c4b3c356d

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), defendeu nesta quinta (2) a proposta aprovada na madrugada na Câmara dos Deputados, em Brasília, que reduz de 18 para 16 anos a idade para prisão em casos de crimes hediondos como estupro e sequestro, homicídio doloso (com a intenção de matar) e lesão corporal seguida de morte.

Ele afirmou que o projeto de mudança constitucional, aprovado em primeira votação, é “necessário e importante”, e que a medida defendida por ele, de alteração no ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), se complementa ao texto. Ele disse ainda acreditar na aprovação da mudança do ECA pelo Congresso Nacional.

“A mudança [redução da maioridade penal para crimes hediondos] é necessária e importante. Pode ser por proposta de emenda constitucional, como votada ontem [nesta madrugada], ou a mudança do ECA. Ambas são legítimas e necessárias”, disse o governador.

O projeto do tucano não prevê alteração constitucional, somente a mudança no ECA para aumentar a internação máxima de três para oito anos -no caso de crimes hediondos e delitos equiparáveis, como o tráfico de drogas-, além da separação dos menores daqueles com mais de 18 anos.

Para Alckmin, é necessário “resposta” para casos de crimes graves cometidos por menor infrator. “O que não pode é ficar do jeito que está. A impunidade estimula os crimes. Ela deseduca. E não estava tendo uma resposta legal necessária à altura da gravidade dos crimes cometidos por esses menores”, afirmou.

Apesar disso, o tucano afirmou que a proposta de emenda constitucional pode demorar para ser colocada em prática, por questionamentos no STF (Supremo Tribunal Federal). “Nesse ponto, a mudança no ECA seria mais rápida e de aplicação imediata. A PEC é mais longa”, afirmou.
O governador paulista afirmou ainda que pediu esclarecimentos quanto à localização da ala especial onde serão colocados os adolescentes infratores de 16 a 18 anos. “Pedi para checar se será na Fundação Casa (ex-Febem) ou nas unidades do sistema penitenciário”, disse.

Ele disse que as unidades poderão ser adaptadas para receber os infratores.

VOTAÇÃO

A votação ocorreu 24 horas após uma outra proposta ser rejeitada pela maioria dos deputados. A proposta é mais branda do que a rejeitada porque excluiu a possibilidade de redução da maioridade para os crimes de tráfico de drogas, terrorismo, tortura e roubo qualificado (com arma de fogo, por exemplo).

Agora, o texto precisa ser votado em segundo turno e passar por duas votações também no Senado. O resultado foi uma manobra costurada pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para reverter a derrota do dia anterior. A medida foi encarada como “golpe” por deputados opositores à proposta.

Folhapress

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Guarda Municipal de Taquararitinga do Norte prende dois Elementos

Dois irmãos foram detidos com um simulacro de arma de fogo na tarde deste sábado (30), na Avenida Jose Juventino da Silva, em frente a Paró...