quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Quando precisou, Jarbas mudou de lado sem hesitar


Quem acompanha essa briga a respeito do PMDB encampada por Jarbas Vasconcelos e não conhece a história política de Pernambuco, pode até colocá-lo na condição de vítima de uma armação sórdida contra um representante da moralidade e da ética política. Porém a história política de Pernambuco mostra que assim como o PMDB nacional que está optando por um projeto solo do partido pelo Palácio do Campo das Princesas e decidiu trocar o comando do partido em Pernambuco, Jarbas mudou de posição quando lhe foi conveniente.
Em 1985 Sergio Murilo foi escolhido como candidato do PMDB após vencer um processo de prévias contra Jarbas Vasconcelos, que não aceitou o resultado do seu partido, e decidiu se filiar ao PSB para entrar na disputa. Numa das campanhas mais sujas da história do Recife, Jarbas sagrou-se prefeito com uma diferença de 25 mil votos para Sergio Murilo, segundo colocado.Em 1990 Jarbas enfrentou Joaquim Francisco pelo governo de Pernambuco, ambos tinham sido prefeitos do Recife, a eleição igualmente complexa, deu a vitória a Joaquim, do PFL, Jarbas acusou Arraes, então governador que renunciara para disputar um mandato de deputado federal, de ter feito corpo mole na sua campanha.
Em 1992 na busca pelo segundo mandato, já no PMDB não aceitou Eduardo Campos como vice-prefeito da sua chapa, dando inicio a um rompimento com Miguel Arraes, seu mentor político, até a sua morte em 2005. O distanciamento de Jarbas da família Arraes durou mais de duas décadas quando em 2011 voltou a ter relação com Eduardo Campos. Em 1994, já rompido completamente com Arraes, iniciou costuras para aproximar-se do PFL, que tanto combateu a vida inteira, Jarbas em nenhum momento se preocupou com sua história nem com sua ideologia. Não foi candidato a governador porque sabia que não era páreo para Arraes. Dois aos depois, em 1996, apoiou Roberto Magalhães indicando seu pupilo Raul Henry para o cargo de vice-governador.
Na eleição de 1998, já casado oficialmente com o PFL que ele tanto combateu, Jarbas levou para o seu cargo de vice-governador Mendonça Filho, e acabou derrotando Miguel Arraes numa campanha igualmente sangrenta. Jarbas foi beneficiado pelo escândalo dos Precatórios, e usou e abusou do tema para derrotar seu mentor político. Novamente, Jarbas não se preocupou com ideologia nem sua história. Buscou o poder pelo poder. Sentado na cadeira de governador, Jarbas foi acusado de fazer corpo mole na campanha de 2000, permitindo que seu aliado Roberto Magalhães sofresse uma emblemática derrota para João Paulo. Até hoje tem quem culpe Jarbas pela derrota de Dr. Roberto, que era um prefeito bem-avaliado mas acabou prejudicado por vários fatores que culminariam na existência de um segundo turno e  consequentemente na vitória de João Paulo.
Em 2002 Jarbas, que tinha uma reeleição tranquila, decidiu levar Sergio Guerra para o Senado, em detrimento de outros aliados mais antigos da União por Pernambuco. Tal movimento de Jarbas abriu precedente para o rompimento de muitas lideranças políticas, dentre elas Roberto Magalhães, Joaquim Francisco, Luiz Piauhylino, José Múcio e Armando Monteiro. Em 2004 queria fazer Raul Henry candidato a prefeito, mas como Cadoca era o nome mais forte, acabou tendo que engolir a indicação. Em vez de abraçar o projeto, decidiu lavar as mãos, o que permitiu mais uma vitória de João Paulo.
Em 2006 se preocupou exclusivamente com a sua eleição para o Senado, fazendo caminhadas-relâmpago, deixando Mendonça Filho ao Deus dará. Também foi incapaz de chamar o feito a ordem para manter a tropa unida em torno de Mendonça. Jarbas novamente não moveu uma palha pelos seus aliados e deixou o PFL sofrer mais uma derrota. Aquele movimento de Jarbas, que nunca se preocupou com outra pessoa, senão ele e Raul Henry, custou caro a muita gente que estava junto dele.
Em 2008, não se dando por satisfeito de ter deixado Mendonça Filho ao léu na disputa pelo governo, permitiu que seu vice-governador por oito anos, um parceiro leal e fiel, saísse isolado na disputa pela prefeitura, mesmo estando na liderança de todas as pesquisas. O apoio de Jarbas com o PMDB e o PSDB permitiria a Mendonça condições reais de vencer a prefeitura, mas optou por lançar seu pupilo Raul Henry, que amargou um terceiro lugar.
Nas eleições de 2010 relutou até o fim para disputar o governo, não queria em hipótese alguma enfrentar Eduardo Campos, mas acabou sendo obrigado a entrar na disputa sob pena de ser chamado de covarde e oportunista. Entrou sem ânimo na disputa e colocou em xeque a situação de muitos aliados, como André de Paula, Marco Maciel e Raul Jungmann, que por conta do seu resultado para governador, acabaram embicando e ficaram sem mandato.
Em 2012 Jarbas novamente não se preocupou com história nem lado, quando viu que a candidatura de Raul Henry não decolava, se juntou ao seu principal adversário, que havia lhe dado uma magnífica surra eleitoral, e achou tudo aquilo extremamente normal. Apoiou Geraldo Julio e abandonou o seu próprio filho ao relento. Não fez nenhum esforço para que seu filho se elegesse vereador, e o que ninguém imaginava aconteceu. O filho de Jarbas, seu parceiro, seu companheiro de todas as horas, não teve o empenho devido do pai, entrou numa fogueira e acabou perdendo para vereador.
Em 2014 por falta de votos, correu do Senado, foi para a disputa de deputado federal com medo de não ter sequer 100 mil votos. Só conseguiu ser eleito com expressiva votação por causa da catástrofe envolvendo Eduardo Campos. O eleitorado órfão de liderança política na disputa, decidiu canalizar votos para o governador que antecedeu Eduardo.
Em 2016 foram inúmeras as vezes que Jarbas se negou a se aproximar de Geraldo Julio, dando a entender que não o apoiaria para a reeleição, num claro sinal de barganha para ter mais espaços na prefeitura e no governo. Terminou ficando no palanque de Geraldo, mas não fez qualquer esforço para ajudar o prefeito. A fatura cobrada pelo apoio a Geraldo foi ampliar os espaços no governo Paulo Câmara, tendo um quinhão completamente desproporcional ao seu tamanho eleitoral.
Quem conhece a história de Jarbas Vasconcelos sabe que ele esvaziou o PMDB de Pernambuco porque tem horror a fazer política. Mais do que isso, não tem compromisso com aliados nem com o seu partido. A história mostra que Jarbas quando precisou, mudou de lado sem qualquer remorso ou culpa. Se ele não tem compromisso com o PMDB nacional, o mesmo não tem motivo de ofertar qualquer reverência a quem, sem hesitar, fez o que achava ser melhor exclusivamente pra ele ou seu pupilo. Em 1990, Joaquim Francisco ficou lembrado pela célebre frase: “Vou desmistificar você, Jarbas Vasconcelos”. Não precisou, os fatos mostram que Jarbas sempre foi uma biruta de aeroporto quando julgou interessante para o seu projeto político e eleitoral.

por Edmar Lyra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Estado de Emergência em Sanharó após fortes Chuvas

A cidade de Sanharó, no Agreste de Pernambuco, decretou situação de emergência após as chuvas desta sexta-feira (15). Segundo a Agên...