quarta-feira, 17 de abril de 2019

NOVO MINISTRO DA EDUCAÇÃO DESCONHECE NORDESTE

 











O primeiro ministro da Educação do Governo Bolsonaro, colombiano Ricardo Vélez, numa entrevista à Revista Veja generalizou e chamou os brasileiros de ladrões. Pegou muito mal, mas essa foi somente uma das besteiras que fez. Terminou caindo sem tempo de comer o peixe da Semana Santa.

Para substituir Vélez, o presidente da República escolheu um economista, Abraham Weintraub, formado pela Universidade de São Paulo.

Ele disse que não é de conversar muito com a imprensa, porém numa das primeiras entrevistas causou mal-estar entre os nordestinos.

Na visão do novo ministro não se deve ensinar disciplinas como filosofia ou sociologia aos estudantes da região Nordeste. Ele acha que nesta parte do país a preocupação deve ser mais com agronomia e assuntos correlatos.

Ele deve imaginar o Nordeste como uma região exclusivamente agrária, habitada por um povo que não deve ser incentivado a pensar.

Abraham, pela declaração, não deve saber, ainda, que existem praias lindas na região que estimulam o turismo, boas universidades, o Complexo Portuário de Suape, petróleo, indústrias nas áreas metropolitanas de Fortaleza, Salvador e Recife e tanta coisa mais.

Ministro não deve saber que Caetano Veloso, Luiz Gonzaga, Gilberto Gil, Fagner, Raquel de Queiroz, José Lins do Rego e Jorge Amado nasceram no Nordeste.

Paulo Freire e Josué de Castro também foram nordestinos. Um se preocupou em fazer pensar e ensinar a ler com base na realidade do povo. O outro escreveu livros sobre a pobreza e a fome.

Ministro da educação, preocupado com um tal de “marxismo cultural”, foca na questão agrária de uma região que sofre secularmente com as secas.

Mas nada disso é estranho. Afinal o próprio presidente, na fase de pré-campanha afirmou que os nordestinos deviam comer capim.

“Brasil acima de tudo”, mas o Nordeste é um caso à parte, parece.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quase 2 mil caminhoneiros se mobilizam em grupos de WhatsApp por paralisação

Quase 2 mil caminhoneiros estão em, no mínimo, 15 novos grupos do WhatsApp recém-criados para discutir uma possível paralisação ...