domingo, 3 de maio de 2015

ONG pernambucana ajuda professores a financiarem projetos educativos

Margarida Azevedo

Caio, Luiz Paulo, Luiza, Pedro e Débora estão à frente da entidade. / Foto: Sérgio Bernardo /  JC Imagem

Caio, Luiz Paulo, Luiza, Pedro e Débora estão à frente da entidade.

Foto: Sérgio Bernardo / JC Imagem

Professores de história, Pedro Dantas e Luiz Paulo Ferraz estudaram juntos na faculdade. Numa conversa despretensiosa, em 2013, Pedro comentou com o amigo sobre a vontade de criar um instrumento que ajudasse docentes a viabilizar projetos, a incrementar suas aulas. Ali foi o embrião do que hoje é a organização sem fins lucrativos somosprofessores.org. Por meio de uma plataforma online, arrecadam recursos, em doações voluntárias, para custear as iniciativas de mestres de escolas públicas pernambucanas. A proposta, destacam, é “encurtar a distância entre as pessoas que sonham com a melhoria do ensino público e as que têm o poder de tornar isso realidade: os professores”.

“Pretendemos valorizar o trabalho do professor da escola pública, incentivá-lo, encorajá-lo”, destaca Luiz Paulo, vice-presidente da organização. “O que está faltando para enriquecer sua aula, além da força de vontade? Como podemos contribuir para tirar o projeto do papel? São essas perguntas que fazemos”, complementa Pedro, presidente da somosprofessores.org. O nome da entidade é uma provocação. Para eles, quem ajuda a educação, mesmo sem formação em magistério, também é professor. “Ao ajudarmos o ensino, nos tornamos peças fundamentais desse processo”, ressaltam.

O funcionamento da plataforma é simples. O docente acessa o site, se cadastra e inscreve o projeto. Tem que descrever o que pretende fazer, do que necessitará e, principalmente, como a iniciativa vai impactar positivamente no aprendizado e na vida dos alunos. Feito isso, a equipe da ONG avalia o projeto, entra em contato com o professor, levanta orçamento do material solicitado por ele e coloca na página online para que comece a arrecadação. Estipula-se também prazo para repasse do dinheiro.


Os doadores poderão contribuir com qualquer valor. Na plataforma, há um resumo dos projetos para escolher. O pagamento pode ser por transferência bancária, cartão de crédito ou boleto. Uma das diferenças desse financiamento em relação a outros (chamado de crowdfunding) é que o professor não receberá o dinheiro. Terá o material que pediu.

“Prezamos pela transparência. No orçamento, está detalhado quanto vai custar cada item solicitado, com o nome da loja onde será comprado. Se o projeto for financiado, faremos prestação de contas. Se não for, os doadores receberão de volta os valores exatos de suas contribuições”, observa Pedro.

Para tocar a entidade, Pedro e Luiz Paulo contam com a ajuda de Luiza Dantas, psicóloga e irmã de Pedro, e Débora Duque, jornalista e noiva de Luiz Paulo. Também estão Caio Dounis (engenheiro de software), Victor Correia (contador) e Hélio Lemos (estudante de direito), amigos do grupo. Eles convidaram pedagogas experientes para ajudá-los: Vera Lúcia Anderson, do Instituto Capibaribe; Maria Lúcia Salazar, do Colégio Conviver, e Dulce de Queiroz Campos, avó de Pedro e Luiza e ex-diretora do Colégio de Aplicação da UFPE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Guarda Municipal de Taquararitinga do Norte prende dois Elementos

Dois irmãos foram detidos com um simulacro de arma de fogo na tarde deste sábado (30), na Avenida Jose Juventino da Silva, em frente a Paró...