quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Novo aumento de luz até o final do mês


Do JC Online

 / JC Imagem

JC Imagem

Bastou um mês para o governo falar em reajuste da bandeira tarifária, mecanismo que aumentou o preço da energia elétrica para o consumidor desde o dia 1º de janeiro. O primeiro aumento da sistemática poderá acontecer antes do Carnaval, conforme informou ontem o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino. A agência espera a publicação de decreto da presidente Dilma Rousseff, que deve aumentar o preço das bandeiras amarelas e vermelhas em 50%. A bandeira tarifária vermelha, em vigor atualmente, equivale a uma adição de R$ 3 para cada 100 kwh de consumo, que no caso de Pernambuco tem um custo de R$ 50 (o quilowatt-hora cobrado pela Celpe é em média de R$ 0,50). Com a decisão, a bandeira vermelha poderá subir para R$ 4,50. O sistema de bandeiras foi criado para compensar o uso das térmicas, que vêm operando no limite por causa da crise hídrica.
O ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, confirmou que o governo federal vai elevar o valor das bandeiras vermelhas nas tarifas de energia elétrica. A intenção do governo é resolver os problemas financeiros das distribuidoras. A bandeira tarifária funciona como uma antecipação de fluxo de caixa para as empresas, que teriam de esperar o reajuste anual das contas de luz para incluir o custo maior da energia elétrica gerada por usinas termelétricas. A bandeira vermelha indica que o nível baixo dos reservatórios das usinas hidrelétricas obriga o acionamento intensivo das térmicas, que têm um custo de produção maior. 
Segundo a Aneel, a bandeira funciona como um sinal regulatório de preços e, por antecipar a cobrança, evita aumentos de grandes proporções nos reajustes anuais das distribuidoras, como vem ocorrendo agora. Para se ter uma ideia, a distribuidora que fornece energia para Campina Grande, na Paraíba (Energisa Borborema), foi autorizada ontem a reajustar suas tarifas em 39,55% hoje.

A expectativa é que a presidente Dilma Rousseff assine o decreto ainda esta semana. Em isso acontecendo, a Aneel convocará uma reunião extraordinária para definir como colocará em prática a determinação.
A revisão das bandeiras tarifárias não vai ser o único aumento este mês. A Aneel deve decidir também sobre os gasto dos programas sociais que voltarão a ser cobrados dos consumidores na tarifa de energia. Com o fim da ajuda de R$ 9 bilhões do Tesouro Nacional, a Aneel colocou em consulta pública as propostas que serão colocadas em prática para cobrir despesas de R$ 25,96 bilhões da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) para o ano de 2015. Segundo a agência, as receitas próprias da CDE somarão R$ 2,75 bilhões e o restante, R$ 21,28 bilhões, terão de ser cobertos pelos consumidores. Segundo estimativas, isso representaria um aumento de 3,89% na conta de luz dos clientes nordestinos e de 19,97% para os habitantes do Centro Sul do País. Os valores passariam a ser cobrados já em fevereiro.
Além disso, para os Pernambucanos, haverá no dia 29 de abril o aumento ordinário anual da energia distribuída pela Celpe. O percentual definido pela Aneel será determinado com base nas informações operacionais da companhia energética. No ano passado esse aumento foi de 17,5%.
VÍDEO - Em abril de 2014, no início da campanha à reeleição, a presidente Dilma Rousseff fez um pronunciamento em rede nacional onde afirmava que não iria subir a conta de energia e que os brasileiros podiam ficar despreocupados. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Guarda Municipal de Taquararitinga do Norte prende dois Elementos

Dois irmãos foram detidos com um simulacro de arma de fogo na tarde deste sábado (30), na Avenida Jose Juventino da Silva, em frente a Paró...